O preconceito com relação à orientação sexual dos colaboradores nas empresas e o papel de políticas inclusivas de RH

Ricardo Rohm, Samira Pompeu e Tarcio Viana em UFRJ

📅 JICTAC 2008

Resumo:

É inegável o preconceito em relação à orientação sexual que existe na sociedade heterossexista contemporânea. Aprendido desde cedo pelo opressor e reforçado na vida adulta pelos amigos, pela mídia e por muitas religiões, ele está presente em diversos momentos do cotidiano do oprimido em lugares como a casa, a escola, ambientes de lazer ou de trabalho. Isto limita a qualidade de sua existência bem como a garantia de seus direitos e a possibilidade de ter uma vida com cidadania plena. Visando contribuir para a mudança deste cenário o presente trabalho busca esclarecer a importância do papel de políticas inclusivas de RH nas empresas de forma a neutralizarem atitudes negativas e incentivar a inclusão de grupos oprimidos por sua orientação sexual, valorizando-se uma cultura organizacional de respeito à diversidade sexual. Afinal, toma-se por base que a flexibilidade e a diversidade, além de trazerem uma maior possibilidade de vida digna ao segmento GLBT também geram benefícios para as empresas que seguem estes princípios, tais como o aumento da criatividade na organização para um importante diferencial competitivo nos mercados.

Compartilhar


Inspiração para o comentário:
Lembre-se de que você veio aqui, porque compreendeu a necessidade de lutar contra si mesmo. Agradeça, portanto, a quem lhe proporcione a ocasião para isso.
Gurdjieff
Você pode alterar sua foto de perfil no Gravatar ou fazer login.

Deixe um comentário