PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM
DESENVOLVIMENTO HUMANO, FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS TRANSFORMADORAS E GOVERNANÇA SOCIAL
Minerva UFRJ 2021

Notícias

Avatar de Gabriela Costa

Badhaai Do: aqui e agora

Texto escrito por Gabriela e Sofia No texto de Once Again, refletimos sobre a beleza da integridade que reflete o alinhamento entre mente e coração, possibilitando que vivamos a realidade da vida com firmeza e afirmação da própria existência. Essas reflexões nos ensinaram a importância de aprendermos a abraçar as contradições, amar o necessário, e…


Texto escrito por Gabriela e Sofia

No texto de Once Again, refletimos sobre a beleza da integridade que reflete o alinhamento entre mente e coração, possibilitando que vivamos a realidade da vida com firmeza e afirmação da própria existência. Essas reflexões nos ensinaram a importância de aprendermos a abraçar as contradições, amar o necessário, e compreender o potencial transformador das nossas escolhas face aos limites da vida.

Hoje, voltamos a refletir sobre um filme que Mestre nos apresentou chamado Badhaai Do: casamento por conveniência. Baddhai Do é um filme que retrata a sociedade indiana, com foco na homofobia e os impactos dela no contexto familiar de pessoas LGBTQI+. 

O filme narra as dificuldades vividas pelos personagens principais Shardul e Sumi, que, aos 30 e poucos anos, sofrem com as pressões de suas famílias para se casarem e terem filhos. Contudo, Shardul é gay, e Sumi é lésbica, e nenhum dos dois compartilha com suas famílias informações sobre sua vida afetiva real. 

Sumi e Shardul se conhecem na delegacia onde Shardul trabalha. Após entrar em um aplicativo de relacionamentos lésbico e dar match com o perfil falso de um homem que se passava por uma mulher, Sumi está sendo perseguida por este stalker, que ameaça expô-la a sua família caso ela não queira se relacionar com ele. Ao tomar conhecimento da denúncia (mas não do motivo da perseguição), Shardul vai atrás do homem e dá-lhe uma lição. Neste momento, também descobre a razão da perseguição, e decide contatar Sumi novamente para propor um casamento de fachada. Nesta negociação, os dois poderiam seguir se relacionando livremente com quem desejassem, não precisariam assumir sua sexualidade aos familiares, e finalmente parariam de ser incomodados por seus pais para encontrarem um cônjuge. 

Após alguma reflexão, Sumi aceita a proposta e os dois se casam em uma grande cerimônia, com a participação de todos os familiares, um grande banquete e muitos presentes. Contudo, os meses se passam, e as famílias, não contentes em ver os dois casados, começam a pressioná-los para que tenham filhos. Os momentos constrangedores se multiplicam e as pressões crescem, até que, um dia, a mãe de Shardul entra no apartamento deles sem avisar e vê Sumi e sua namorada em um momento íntimo. A família de Shardul se reúne para discutir a situação, e critica Sumi por ser homossexual, enquanto tem pena de Shardul por ter sido “enganado”. Shardul participa de toda a conversa, e acaba chegando ao seu próprio limite depois de ouvir tantos xingamentos e críticas à Sumi, que sequer estava presente. Todas essas palavras, claro, se aplicam a ele, ainda que a família não saiba disso. 

Shardul, entretanto, não aguenta mais tamanha pressão e se assume ele mesmo para a família, em solidariedade a Sumi. Ele começa a questioná-los, e sai de cena para o telhado do prédio, com medo e agitado diante das reações de choque da família e das novas possibilidades que se abrem para seu futuro, que não parecem nada boas. Alguns instantes depois, sua mãe, que até aquele momento havia sido sempre silenciosa e resignada às decisões dos outros, se aproxima dele, e os dois se abraçam sem trocar nenhuma palavra, num gesto de compreensão e compaixão que transcende os papeis sociais aos quais os dois costumavam se adequar. 

A partir deste ponto, Shardul finalmente decide abrir mão de seus desejos pessoais, e começa a se tornar uma pessoa mais compassiva e empática ao sofrimento dos que estão à sua volta. Ele deixa de ser um observador passivo da sua realidade, que infelizmente ainda é bastante repressiva e homofóbica, para se tornar uma liderança transformadora, que serve aos demais sacrificando sua busca por um tipo específico de sucesso e elogios. Diante de tanto sofrimento próprio e de outras pessoas à sua volta, ele opta por mudar o curso dos eventos e oferecer sua contribuição para a mudança da sociedade onde vive, demonstrando grande coragem e determinação. 

Retomando nosso texto anterior acerca da minissérie Once Again, podemos passar novamente por Nietzsche quando este diz que “quando a vida exige o mais pesado é quando ela se torna mais leve”. Muitas vezes, diante de momentos desafiadores, recuamos e fugimos das dificuldades no relacionamento com o outro, ou com nós mesmos. Olhar para o nosso próprio abismo, em alguns momentos, gera sensações de medo, angústia, rejeição, raiva, negação ou outros sentimentos ruins e incômodos, o que pode nos levar a fugir, não apenas da situação, mas da própria sensação. Contudo, o que Mestre nos ensina é o oposto disso. Nos ensina a enfrentar e encarar o medo a partir da coragem. 

Essa coragem, contudo, não é aquela destrutiva, que chega acompanhada do medo e da raiva, mas sim uma coragem de guerreiro pacífico, que atravessa a raiva e o medo para chegar ao outro lado, no coração do outro, levando compaixão e generosidade. É um movimento que demanda treinamento e preparação, mas mais do que isso, demanda a própria experiência da ação que, bem-intencionada e tendo por objetivo a promoção da harmonia, não poderia influir em um erro, já que é o caminho do guerreiro pacífico em si. 

Ao final do filme, Sumi e Shardul optam por não oficializar o divórcio, pois Sumi e RimJhim, sua esposa, querem adotar uma criança, mas são impedidas de fazê-lo oficialmente pelas leis indianas, que ainda não permitem a adoção por casais homoafetivos. Shardul também gostaria de ter um filho, mas não sabe como fazer isso. Desta forma, Shardul e Sumi mantêm seu casamento legal, e os três assumem a parentalidade da criança. Na cerimônia de bênção do filho de Sumi, RimJhim e Shardul, alguns membros das duas famílias participam do evento sorridentes e tranquilos. Quando um policial hierarquicamente superior a Shardul entra na casa, desconhecendo a situação em curso, RimJhim, que estava sentada ao lado de sua esposa, se afasta de Sumi, e a tela escurece, indicando mais um final triste para um filme LGBT. Em geral, cortes deste tipo indicam a passagem de um longo período de tempo para um futuro distante onde tudo é diferente e muito melhor do que no presente. 

Mas, surpreendentemente, algo altera este final previsível: a ação do pai de Sumi. Ao perceber que RimJhim se afasta de sua filha para evitar algum tipo de incômodo com o superior de Shardul, ele sinaliza que ela retome seu lugar, e aponta: “Rimjhim! Sente-se ao lado da Sumi. Vá! Continue! A mãe precisa estar presente na cerimônia”. Assim, ele puxa o futuro distante e idílico para o presente, indicando claramente seu posicionamento: o futuro é feito no aqui e no agora, e por não desejar que esse final triste seja a realidade deles, o pai age no aqui e agora para que o futuro mude e seja outro, a partir de um gesto generoso e leal. 

Assistindo a esse gesto do pai de Sumi, Shardul percebe que ele também merece estar ao lado de quem ama, ainda que isso não agrade a todos que estejam presentes. Inspirado pela bondade que presenciou, Shardul aprendeu a ser bondoso consigo mesmo e chama seu namorado para sentar-se ao seu lado também. 

Na nossa perspectiva, Badhaai Do nos ensina a romper com as correntes que nos mantém aprisionados a uma vida de aparências e nos ensina a agir em defesa daquilo que é verdadeiro e pulsante em nós. Nos ensina a nos libertar da hipocrisia e assumir nossos desejos e sonhos. Nos ensina também como a gentileza pode ser contagiosa, e como juntos podemos fazer e ser mais do que seríamos capazes sozinhos. 

A aliança de Sumi e Shardul, ainda que inicialmente possa ser mal compreendida como um gesto de covardia, mostrou-se verdadeiramente bela e transformadora. Em um primeiro momento, os dois se uniram para que, ainda que em segredo, não sucumbissem, em um momento de fraqueza e solidão, à obrigação de viver a vida que a sociedade impõe com grande violência às pessoas LGBTQIA+. Depois, foi a amizade desenvolvida entre os dois, potencializada pela empatia e pela lealdade, que possibilitou aos dois libertarem-se de seus algozes e assumirem suas verdadeiras vidas e amores.

Apesar de Badhaai Do representar a sociedade indiana, a história apresentada também reflete bastante a sociedade brasileira, educada para criar seus filhos baseados na opressão e na reprodução de uma vida que serve apenas aos interesses do Capital. O filme nos demonstra a importância da coragem e dos laços com aqueles que enfrentam as batalhas que nós também enfrentamos. Apesar disso, tendemos a pensar demais, refletir demais e fazer muito pouco. Podemos observar isso pensando no nosso país: apesar de vermos o caminho para a solução de diversos problemas que enfrentamos, existe um abismo entre saber e fazer. Também é assim nas nossas “vidas pessoais”: tendemos a deixar aquilo que sabemos ser o correto e necessário para depois. 

Shardul e Sumi também estavam sempre tentando adiar as decisões que precisavam tomar. Quando ainda solteiros e sozinhos (pelo menos perante a sociedade), falavam para suas famílias que se casariam depois. Quando se casaram, disseram que teriam filhos depois. Estavam sempre adiando o que precisavam fazer para serem os donos de suas próprias vidas, mas tiveram a sorte de o universo conspirar para que aquela espera acabasse. Infelizmente parece algo próprio das pessoas de maneira geral esperarem o problema bater na porta para resolver o que precisa ser resolvido. Podemos observar isso no que estamos enfrentando hoje em relação ao aquecimento global e as tragédias que estão acontecendo em decorrência desse fenômeno. 

Entendemos que um dos maiores potenciais da arte é nos transformar a partir do que assistimos, quando nos permitimos ser tocados por ela. Como os amigos do filme, nós também aceitamos fazer muitas coisas por conveniência, mas qual é o momento de largarmos as nossas ilusões e encararmos a realidade como ela é no aqui e no agora? 

Como Mestre diz, o tempo é escasso, a vida é curta e por mais que queiramos  muito, não podemos esperar eternamente pelas melhores condições para fazer o que quer que seja. No texto acerca de uma frase de Gurdjieff, ele esclarece: “O ciclo do FAZER e do SERVIR não podem parar ou esperar pela paz interior sonhada, como se pudera ser pré condição do FAZER virtuoso! O guerreiro pacífico, até em sua vulnerabilidade, está sempre em movimento, no “DOING”! E sempre se qualificando mais para ousar mais e fazer mais! Porque o fazer do ensinamento reside sempre na sabedoria de não deixar de fazer!”

— Sócrates, todas as minhas ilusões se despedaçaram e parece que nada restou para ocupar o lugar delas. Você me mostrou a inutilidade da busca. Mas e o Caminho do Guerreiro Pacífico? Não é um caminho, uma busca? […]
— Depois de todo esse tempo, finalmente você fez uma pergunta interessante! A resposta está bem na sua frente. Todo o tempo eu lhe mostrei o Caminho do Guerreiro Pacífico, não o Caminho para o Guerreiro Pacífico. Enquanto trilha o caminho, você é um guerreiro. […] o caminho é agora, sempre foi.”

Filme Badhaai Do na Netflix: https://www.netflix.com/br/title/81350338?source=35

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Inspiração:
    Denzel Washington

    Algumas pessoas nunca gostarão de você porque seu espírito mexe com os demônios delas.

Comentários recentes

  1. Marcelo Canesin
  2. Marcelo Canesin
  3. Marcelo Canesin

Ver todos os comentários


Notícias recentes