PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM
DESENVOLVIMENTO HUMANO, FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS TRANSFORMADORAS E GOVERNANÇA SOCIAL
Eponina, Ernesto Nazareth
Chevron esquerda

Ciberativismo como fenômeno sociopolítico em uma sociedade em rede

,
📅 DATA DA PUBLICAÇÃO
🔖 PALAVRAS-CHAVE
📃 DIVULGADO EM

UFRJ,

🗺️ CIDADE
AUTORES:

ResearchGate – 📅 SIAc 2018 – 📅 IV ISA Forum of Sociology – 📅 JICTAC 2020 – 🏅 Prêmio

Resumo:

A partir da difusão das tecnologias digitais para a comunicação, teve início um processo de geração e acumulação de dados pelo Norte Global, composto pelas empresas proprietárias dessas plataformas. Surge então o big data, que tem servido para fins de controle e exploração das populações do Sul Global. Os movimentos sociais atuam neste contexto como agentes externos à estrutura que perpetua essa dominação, e assim podem abrir caminho para a construção de relações mais democráticas (SANTOS, 2016). Na presente pesquisa, considera-se o aumento das liberdades individuais tais como desenvolvidas por Sen (2010) como indicador para se analisar o aumento da democratização. Portanto, o principal objetivo deste trabalho é destacar as contribuições e impactos dos movimentos sociais sobre o processo de democratização por meio da esfera digital. Foi realizada uma pesquisa bibliográfica a fim de construir o modelo analítico posteriormente utilizado para o estudo do caso Ni Una Menos. O movimento Ni Una Menos foi escolhido por ser um movimento recente, ativo, consistente e representativo do Sul Global, além de já ter apresentado impactos concretos para a sociedade na Argentina. A montagem do caso se baseou na coleta de materiais documentais levantados nas redes sociais e site do movimento, além do uso de reportagens jornalísticas para compor o contexto em que o movimento atua. Com este trabalho, espera-se notar de que formas as tecnologias digitais são empregadas pelo Ni Una Menos, de modo a destacar as suas táticas digitais e como elas contribuem para o aumento da democratização.

Abstract:

Cyberactivism as a sociopolitical phenomenon: an integrated analytical model for democratization within networked societies

As digital technologies became important tools for a large number of people, the corporations which control such devices and software gained access to huge amount of data generated by online activities (FUCHS; TROTTIER, 2017). Once these corporations are based in the Global North, data and their products are also concentrated in region. For this reason, the inclusion of Southern epistemologies in discussions regarding the phenomenon of datafication is important to develop a more effective analysis of the power relations between the Global North and South.

The use of digital technologies by social movement emerges in this context as possibility to resist the intended use of commercial online platforms, which maintain exploitative relations. According to Santos (2016), the key for democratization in the present moment is the struggle to transform unequal power relations into relations of shared authority, prioritizing the social dimension. The author’s perspective of democracy and the Global South is adopted to explain how digital technologies may assist activists in social movements.

Sen’s (2010) contributions regarding the instrumental freedoms are also considered to analyze the process of democratization and its impacts on individuals. On a micro level, Sen’s (2010) theory explains the increase of individual freedoms, which should create better conditions for people to participate in the democratization process.

The author’s perspective of development takes into consideration multiple dimensions, dodging an economic centered approach and allowing a sociopolitical one. This way, this paper focuses on activism and social movements’ tactics and strategies instead of the role of digital technologies. The main objective of this work is therefore to highlight the contributions and impacts which social movements may cause in the processes of democratization by means of the digital sphere.

Concerning the methodological journey, a bibliographical research on the theme of digital activism was carried to create an analytical model, which contains 3 main tactical categories, composed of a few modalities which represent a purpose to an action.

The model is subsequently applied to analyze social movements’ use of the digital sphere. To select the movement a few criteria were taken into account. The movement had to: be broad and consistent; be active between 2016 and 2020; not be a formal organization (such as an NGO or political party); present concrete results; be representative of the Global South.

This selection resulted in the case of Ni Una Menos, which started in 2015 in Argentina and has been active ever since. During the past 5 years, the movement has achieved important results, such as the passing of laws and the implementation of national plans to eradicate gender-based violence.

To study this case, posts and information from the movement’s website and social media will be retrieved and systematically analyzed considering the 3 tactical categories. This way, this paper will point out the modalities used by Ni Una Menos, which tools they can employ, what are their goals and expected outcomes. To better comprehend the context in which Ni Una Menos exists, Argentinean news reports were collected from 2015 to the present moment.

The aim of applying this analytical model to the case of Ni Una Menos is (1) to point out the digital tactics employed by the movement in the past and (2) to propose future strategies.

ANEXO:

Compartilhar


Inspiração:
Gurdjieff
Lembre-se de que você veio aqui, porque compreendeu a necessidade de lutar contra si mesmo. Agradeça, portanto, a quem lhe proporcione a ocasião para isso.
Alterar sua foto de perfil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  1. <strong>Negrito</strong>
  2. <em>Itálico</em>
  3. <blockquote>Citação</blockquote>
  4. 🙏
  5. 👏
  6. 🤩
  7. 😍
  8. 😘
  9. ❤️
  10. 😉
  11. 😊
  12. 😁
  13. 👍
  14. 🤔
  15. 😄
  16. 😎
  17. 🐘

 

Pesquisas recentes

Ver todas as pesquisas ›

Linhas de pesquisa

Temas de pesquisa e estrutura matricial

Desenvolvimento humano

Acessar pesquisas ›

🌈Com ênfase na diversidade sexual, os estudos analisam as relações de poder e preconceito presentes nas organizações, estimulando o combate à discriminação e à homofobia.

Observam-se quais os modelos adotados para a gestão da diversidade com base nas boas práticas de inclusão – sejam elas nacionais ou internacionais.

Busca-se compreender as vantagens competitivas existentes em um ambiente diverso, considerando também o bem estar de cada colaborador.

A conscientização e o enfrentamento acerca das manifestações homofóbicas nas organizações e demais ambientes de trabalho é crucial para a erradicação da homofobia em nossa sociedade.

“Tanto na esfera do conhecimento, quanto na da política, da sociedade e da própria vida humana, a diversidade deve ser percebida com entusiasmo, com paixão, compaixão e com o encantamento de quem redescobre o mundo. Assim é para mim, permanentemente. Em cada gesto.”

Rohm, em Por uma elegia à Diferença!

Liderança transformadora

Acessar pesquisas ›

🦅 Estes estudos visam compreender a existência e o surgimento de líderes, a análise e aprendizado das competências fundamentais da liderança. Formamos líderes para transformar a sociedade em prol da diversidade humana.

A liderança aqui não aparece como mero recurso para maior vantagem competitiva, mas como forma de se instaurar e de se gerir a transformação.

Transformação significando a ruptura com antigos padrões e a elevação do nível de consciência, tanto pessoal quanto organizacional.

“A única maneira de realizar algo importante é um desejo verdadeiro e pungente, uma vibração transformadora, um presságio de que a vida e a felicidade podem ser ainda mais e maiores…

…"a verdade pertence aos olhos que a vêem" assim como a sabedoria se origina da vivência autêntica de cada um, do olhar por dentro, da celebração da diferença, da entrega, do aprender com amor e coragem de mudar a si mesmo, para além dos limites, para poder merecer mudar o mundo.”

Rohm, em Sócrates e Rohm refletem.

Humanidades digitais e governança social

Acessar pesquisas ›

⚖️ O tema Humanidades Digitais contempla o uso das tecnologias e mídias digitais na geração e propagação de informações, além de meio de comunicação, junto à sociedade e pelas organizações. Em nosso programa, temos investigado e aprofundado nossas pesquisas e estudos nesta temática, observados o massivo uso das ferramentas tecnológicas e digitais, em todo o mundo mas especialmente no Brasil. Esta forma de proceder vem interferindo e orientando a apropriação do conteúdo produzido, afetando o comportamento social e subsidiando a tomada de decisão nas organizações, inclusive no contexto político, com o comprometimento dos sistemas políticos de representação vigentes.
Desenvolvemos lideranças capazes de enfrentar os desafios decorrentes da datificação da sociedade e do capitalismo de vigilância.

Quanto à Governança, os estudos buscam entender as relações pelas quais uma empresa é controlada e administrada, trabalhando para além do paradigma padrão de governança voltada para os shareholders (detentores de ações), mas também para os stakeholders (sociedade, clientes, fornecedores, funcionários e acionistas).

Desejamos estimular a implementação de práticas de gestão socioambientais sustentáveis e éticas nas organizações.

Existe uma preocupação com o resgate social da produção da riqueza que parece obstaculizado pela crise do Estado contemporâneo. A governança é  entendida como um campo de retomada social da produção e da distribuição das riquezas.

"A crise de referências e valores fundamentais da sociedade moderna, acompanhada pela crise de suas instituições tradicionais, desorganizam e desqualificam os então conhecidos e praticados vínculos sociais essenciais aos processos de identificação dos indivíduos, e, portanto, fragmentam suas identidades e abrem um vazio de sentido a ser pretensamente ocupado pela Organização contemporânea, com seu imaginário de excelência e sucesso, ensejando a discussão dos modos de subjetivação inaugurados por suas práticas discursivas."

Rohm, em ​A Produção de Subjetividades em Organizações Contemporâneas: Práticas Discursivas e Políticas da Empregabilidade.

Receba notícias