Se você não está no controle do seu corpo, alguém ou alguma coisa está.


Na edição anterior, que você pode ler clicando aqui http://pep-rohm.facc.ufrj.br/apresentacao-da-coluna-frases-rohmanicas-e-nos/, comentei sobre ter conhecido Mestre e ele ter apresentado para as alunas e alunos o conceito de liderança transformadora, porque foi um momento marcante. Antes de falar da liderança, entretanto, Mestre falou sobre controle. Desde criança aprendemos a não perguntar muito sobre o porquê das coisas. Na minha casa era um inconveniente querer saber e entender o porquê de as coisas serem como são. Em IPS aprendi que não entender por que se faz o que se faz é uma das maneiras de ter uma vida completamente controlada, mas com a ilusão de ser livre.

Crescemos vivendo praticamente no automático, seguindo um caminho que as instituições moldam para que sigamos. Dependendo do nosso gênero, só podemos usar determinadas roupas, precisamos nos comportar de maneira específica, somos colocados em um caminho preestabelecido desde o dia em que descobrem o sexo do bebê. Com o passar do tempo é só ir atendendo às expectativas da família, da escola, dos amigos, da igreja e pronto, seremos classificados como boas pessoas, ou não. É claro que para isso acontecer logo na infância muitas repressões precisam ser feitas e essas repressões criam em nós bloqueios para não agir de determinadas maneiras. Nos colocam “na linha”: do “progresso”, do utilitarismo, do individualismo etc.

Depois nos isolamos em nossas bolhas nas redes sociais, não conhecemos uns aos outros e muito menos a nós mesmos, não valorizamos a presença do outro, cultivamos o medo, a insegurança, temos horror à vulnerabilidade. Aprendemos a seguir padrões de comportamento aceitáveis, editamos tudo: as fotos, as conversas, os contextos em que as coisas acontecem para ficar mais bonito para a rede social… Na escola, com a massificação da educação não aprendemos a pensar, apenas a reproduzir. Não aprendemos a enxergar a beleza da diversidade, pelo contrário, o diferente sofre violências de todos os tipos.

Se você é uma mulher, espera-se que você se case com um homem, que vocês tenham filhos, e trabalhem até morrer, uma “vida boa”, comum, “normal”. Se você é um homem, tem que ser frio, calculista, trabalhar para sustentar a esposa e os filhos. Assim por diante.

Não existe espaço para singularidades, para sonhos ou para liberdade. A diversidade é aniquilada! Será que as pessoas que seguem essa vida baseada na heteronormatividade, no plano de carreira, uma vida vazia de sentido, controlam o próprio corpo? Será que elas sabem quem são e ao que servem? Questionamentos que Mestre levantou, que nos levou à várias reflexões e nos trouxeram até aqui.

E continuando as reflexões de Frases Rohmânicas e nós, hoje apresentamos a 2° edição. A frase desta vez é uma frase muito importante, do nosso querido prof. Dr. Mestre Ricardo Rohm, a saber, “Se você não está no controle de seu corpo, alguém ou alguma coisa está”, e a pessoa que debaterá sobre esta frase conosco é Vivian Santos, integrante de PEP-ROHM.

A falta dos questionamentos

Eu sou de uma cidade pobre, nasci e ainda moro em Duque de Caxias, local que abrigou durante anos um dos maiores aterros sanitários da América Latina. A miséria e a pobreza são coisas que não se podem ignorar ou fugir por aqui, por isso fui ensinada pela minha família e professores desde a infância que o meu maior objetivo deveria ser sair dessa realidade de privações. Estudei em escolas públicas (CIEP’s) e graças ao esforço dos meus professores e dos meus pais fui aprovada para três Universidades Federais diferentes. Optei pela UFRJ, sabendo que a FACC é uma das melhores escolas de Administração do país. Meu único objetivo durante toda a jornada de estudos, do ensino fundamental ao vestibular, era ingressar para UFRJ e conseguir uma ótima posição no mercado de trabalho, que permitisse uma vida sem dificuldades financeiras.

Já como aluna da UFRJ as coisas não saíram de acordo com os meus planos, eu não me saia bem nas matérias, minhas notas eram péssimas e eu sempre me sentia quilômetros atrás dos meus colegas – até conhecer Mestre e aprender que devo deixar de lado as comparações, trocá-las pela busca da superação diária de si, pois é fato que todos começamos de pontos de partida diferentes.

Mas eu imaginava a UFRJ como uma competição e para mim era óbvio que eu estava perdendo. Minha frustração crescia cada vez que eu lia a respeito das conquistas científicas alcançadas por colegas de outros cursos, eles eram os campeões e eu uma perdedora. Para completar, minha situação financeira se agravou, minha família sequer tinha dinheiro para comprar pão, estávamos dependendo de doações, imagina pagar o valor da passagem para eu ir às aulas? Estas situações da vida cotidiana de muitos brasileiros que deveriam fazer todos refletirem acerca das políticas públicas, das decisões dos governos – ou desgovernos -, dos impactos que as organizações causam e das transformações que nossa sociedade, sendo realmente democrática, precisa para que todos possamos viver bem.

Tudo ia muito mal e eu já havia decidido abandonar a faculdade depois de um ano, abandonar todos os meus objetivos e expectativas de melhoria de vida. Não só pela falta de dinheiro, eu não tinha motivos para ir às aulas, o que eu estava buscando? Ao que estava servindo? Até que em 2017, antes de abandonar a faculdade, comecei as aulas de IPS120.

O acontecimento

Conhecer um ser humano tão iluminado como Mestre Rohm é mesmo um grande privilégio. Já nas primeiras aulas ele explicou o conceito de projeto de vida e plano de carreira. Sendo sincera, eu não entendi de primeira a diferença entre os dois, pois estava tão condicionada a enxergar a carreira profissional como a única coisa que faria minha vida valer a pena, que separar ela da busca por sentido na vida, para mim não fazia sentido.

Ainda sem entender, sabia em algum nível que queria aprender mais sobre os ensinamentos de professor Rohm. Eu comecei a pedir dinheiro emprestado para poder frequentar as aulas dele e se antes eu pensava em desistir, comecei a postergar minha decisão. Não queria perder as aulas, sabia que o que ele falava não era só informação, como nas outras matérias, era conhecimento, havia sabedoria! Eu comecei a perceber que tinha um plano de carreira e só, nunca tinha pensado nada além.

Até que um dia Mestre, como sempre brilhante, citou sua frase “Se você não está no controle de seu corpo, alguém ou alguma coisa está”. Ele explicou que quando nós não nos conhecemos e quando não temos disciplina, alguém ou alguma coisa nos controla.

Procurei mudar minha prioridade, a voltar meus esforços para me conhecer e construir um projeto de vida que envolvesse bem-estar e alegria, porém não tinha pensado profundamente sobre as razões que me fizeram optar anteriormente pela gestão da minha carreira como a coisa mais importante. Eu não estava no controle de mim, buscava seguir a lógica de mercado, produzir e consumir, sem tempo para procurar prazer, talvez até mesmo sem entender o que era prazer, já que pensava estar associado estritamente a conseguir estabilidade financeira, coisa que como Mestre já nos fez refletir, não existe para a maioria das pessoas se pensarmos bem.

Mas desde que conheci Mestre Rohm estou buscando ser alguém capaz de fazer o bem, – o que aqui entendo ser praticar atitudes boas, belas e justas – de cuidar e me dedicar às pessoas e à sociedade como uma forma de ser grata por todo o bem que me fizeram, e não contribuir com um viver que ignora as injustiças, ou pior, as intensifique. Meu grande sonho é ajudar a mudar a realidade da minha cidade, retornando para a sociedade o investimento que foi feito em mim desde a infância, por meio das escolas públicas, e agora da Universidade pública.

Ao compreender esse ensinamento de Mestre, senti como se estivesse livre de algo, pois se antes eu agia seguindo os interesses do mercado sem nem ao menos saber, mas daquele momento em diante eu poderia iniciar a jornada pelo controle do meu corpo e da minha vida, e ser alguém relevante, o que já não considerava mais ser algo no sentido de sucesso e poder. Estou na jornada em busca de entender o porquê das minhas ações.

Sempre que penso em palavras como amor, gratidão e alegria, a imagem do grande Mestre Ricardo Rohm vem a minha cabeça, com seu sorriso e bom humor. Ele é um exemplo de integridade e serei eternamente grata por todo o tempo que ele dedicou a todos os seus alunos, sendo eu uma delas. Desde que deixei de buscar o sucesso financeiro pude me dedicar a viver com intensidade, tenho amigos e não mais concorrentes, vejo as coisas de uma forma mais leve.

Penso que estar no controle de nossos próprios corpos não é uma tarefa fácil, necessita coragem e disciplina, pois ir na contramão do que nos induz a lógica capitalista pode causar alguma angústia, mas é necessário para que possamos ter atitudes éticas, quando decidimos trabalhar em prol de um propósito nobre. Agradeço os caminhos e as escolhas que me levaram a conhecer alguém tão especial, que me mostrou a direção para a liberdade e para a alegria. Se um dia eu puder ser para alguém aquilo que o Mestre Rohm é para mim, sei que segui corretamente seus ensinamentos e terei tido uma vida maravilhosa.

E agora?

Com o relato de Vivian vimos um exemplo de como é perceber que não está no controle do próprio corpo. Todos nós em algum momento no decorrer de aprender com Mestre percebemos que também não estamos, não sabemos nem o que realmente queremos… Nesse momento percebemos também que tudo que tínhamos era um plano de carreira. Por que será, afinal, que recebemos na infância essa receita de “vida perfeita”, com foco em carreira, casamento, filhos e dinheiro? Quando descobrimos que não estamos no controle do nosso corpo, o que devemos fazer para estar? Mas espera, queremos estar no controle e nos responsabilizar pela nossa vida? Ou vamos culpar a tudo e todos – sem nenhuma auto responsabilidade – até a morte?

Como dito por Cortella em “por que fazemos o que fazemos?”, uma vida que nega a vibração da própria existência, é uma vida pequena, banal, venal. O que levamos adiante? Quando vivemos no automático, como robôs, então não pertencemos a nós mesmos, somos escravos da vontade alheia. Se como humanos somos seres que têm de construir a própria realidade para viver, não saber o que buscamos e ao que servimos é ser apenas uma ferramenta para que as coisas aconteçam. Sem ação, só reações? Qual o papel do projeto de vida e de um próposito bom, belo e justo?

Nas próximas edições continuaremos refletindo acerca destas e outras mais perguntas, mas queria dizer que uma das primeiras lições de Mestre foi sobre a importância da disciplina na busca pela liberdade. Será mesmo possível fazer diferente da norma? Resistir?… Tantas perguntas surgem no decorrer dessas reflexões, que maravilhoso. Quero que surjam ainda mais e continuar aprendendo com Mestre e com as/os pepianas(os).

Compartilhar


Postado por


Inspirações para o comentário:
abate, alegria, amuo
ânimo, ardor, arte
susto, avidez, bobeira
calma, cansaço, carranca
coleção, confusão, contemplação
criação, curiosidade, depressão
descontente, deslumbre, despertez
determinação, diversão, doente
empolgação, encanto, energia
esperança, espirituosa/o, estranheza
estresse, feliz, gelo
ímpeto, irritação, melancolia
nerd, ocupação, peculiar
pensamento, realização, riso
saltitante, satisfação, sombra
surpresa, trabalhando, travessa/o
triste, zanga
Lembre-se de que você veio aqui, porque compreendeu a necessidade de lutar contra si mesmo. Agradeça, portanto, a quem lhe proporcione a ocasião para isso.
Gurdjieff
Você pode alterar sua foto de perfil no Gravatar ou fazer login.

9 comentários em Se você não está no controle do seu corpo, alguém ou alguma coisa está.

  1. Muito me comovem as palavras de vocês duas. O que pode ser melhor comprovação de entender um ensinamento, do que quando você é capaz de aplicar o que aprendeu trazendo um exemplo de sua própria vida? Como eu costumo dizer, as palavras ecoaram em vocês visceralmente, por dentro…. e vocês entenderam também o fundamental: e agora, como isso se aplica na minha vida, o que eu vou fazer com isso? Como Mestre costuma sempre nos perguntar. Estou muito feliz em ler estes depoimentos-reflexão que dizem tanto do exemplo vivo, atuante, presente, incansável que é o Mestre Rohm em nossas vidas. Sejam sim, a mudança que querem ver no mundo, apropriem-se desse conhecimento tão docemente a nós ofertado, sejam disciplinadas e acima tudo: livres no seu desejo de potência!
    Humor: encantada/o.

    Responder
  2. Que belo relato destas que, além de duas pessoas muito queridas, são duas potências! Feliz em ler e presenciar o maravilhoso impacto que o PEP e Mestre Rohm tem na vida de vocês, expandindo a consciência e dando a vocês (a nós!) o controle sobre o caminho que trilhamos. Que isso seja um exercício constante, de se observar enquanto ser pensante e atuante no mundo, de modo que possamos melhor direcionar e guiar nossas ações, rumo a um propósito nobre e virtuoso. Rumo à nossa formação como líderes transformadores! E que consigamos expressar (em forma de ações, atitudes concretas) a gratidão ao Professor, Doutor (pós-doutor! rsrs) e Mestre, Rohm!
    Humor: feliz.

    Responder
  3. Que texto lindo! Fiquei profundamente tocada com o relato de Vivian sobre sua transformação pessoal e com as reflexões dela e de Gabi acerca dos ensinamentos de Mestre. É muito lindo e confortante ver que outrxs tambem têm os mesmos questionamentos que nós! Isso nos traz muita união. Nesse momento, estou maravilhada com o trabalho de vocês e de todos os que fizeram esse blog acontecer pois acredito que, com ele, poderemos reforçar nossa união em cima dos propósitos nobres ensinados por Mestre e poderemos também conversar em um tempo tão sombrio e solitário. Digo tudo isso pois foi o que o questionamento final do texto me trouxe. “Será possível resistir? Agir diferente da norma?” Mestre nos ensinou que sim, que com o Amor e a União nós somos capazes. Obrigada pelo texto, meninas.
    Humor: coletiva/o.

    Responder
  4. Adorável Gabriela,
    eu reli a postagem anterior, na qual tive a honra de participar, e relembrei de toda nossa discussão no Palácio Universitário da UFRJ que ficou no ar e em escopo muito maior do que o compreendido no texto de abertura. Assim como todo dia um sol imprime ângulos diferentes às formas, possibilitando aos humanos rever o que não compreendemos muito bem durante a tentativa de luz eterna ocorrida no dia anterior, confesso que fiquei intrigado em enxergar as possibilidades que raiariam em minha visão, diante das pontas soltas e a enormidade de frases à espera de discussões. Sobre qual direção a segunda edição da coluna tomaria, de frente com Gabi?

    O foco que Vivian construiu com você me alegrou, porque durante a leitura recomeçou em mim nossas conversas. Era como se eu estivesse pessoalmente com vocês, em expressões físicas de comunicação, o que evidentemente é desautorizado às poeiras cósmicas fazerem neste tempo de corona-vida, neste tempo no espaço. Ficou tão bonita a transição para a segunda edição da coluna. É bonito porque indiretamente as frases debatidas conversaram entre si, as pontas-soltas conversaram entre si, e nós participantes conversaram entre si, aqui na esfera da mente que eu observei.

    Considero que isso ocorreu porque participar desta atividade abriu pontes, para além de uma única ocasião. Participar desta ponte é estar lá, sobre suas dimensões, no parapeito, à espera do convívio, à espera das letras no ouvido, que advêm do reencontro com a humanidade. Quem for o primeiro a se qualificar para esse – assim entendem – tão pouco caso que é a vida virtuosa, resgatará um mundo que eu não ouço mais. Ninguém se ouve mais. Acabou. Ouvir Vivian sobre Mestre, por meio de você, e você sobre nós, sobre cada um, sobre as frases de Mestres que nos guiam, marcou este início – que está difícil de acontecer neste mundo. Sendo assim, gostaria que você não se não se esquecesse de que o que você faz é muito bonito, porque “outro” está mais presente na definição de “nós”, quanto mais você traz a frase do outro para o novo mundo do nós. Agradeço por você estar empenhada em fazer esta ideia acontecer, de uma maneira que, pelo contrário, nos teria deixado lendo menos sobre a demonstração daquilo que somos. E só poderemos demonstrar aquilo que temos se estivermos compreendidos ao controle do que temos, não é, Gabi? Se estivermos conscientes do pouco que temos controle no nosso corpo, em meio às obrigações cotidianas, na essência, talvez, estaremos processando melhor as palavras e reproduzindo menos lixo a partir delas, quando estivermos caminhando no fim da ponte. Com frases Rohmânicas e outros em nós, é um pouco mais virtuoso o desejo de me conhecer com os atributos do nada. Somos poeiras para nada mais do que ocuparmos pouco espaço no Universo?

    à espera do terceiro livro da autora. 😛
    Porque o atual texto deixou no ar provocações sobre quando será a hora da mudança, se sem ação, há só reações no nosso corpo (controlado ou não por nós). Qual o papel do projeto de vida e de um próposito bom, belo e justo, para receptores que querem ser emissores de um sistema energético sutilmente melhor?
    Humor: alegre.

    Responder
  5. É curioso ler esse texto conhecendo a história e o comprometimento das autoras. Dividir com vocês o espaço da FACC me proporciona uma experiência de leitura que transcende o significado das palavras do texto. Tendo o privilégio de conhecer Vivian e Gabriela e acompanha esse processo (constante e árduo) em busca do propósito, consegui ler esse texto com o coração. Vocês duas são inspirações para mim. Sigamos!
    Humor: feliz.

    Responder
  6. Obrigado por compartilhar esse textão para relembrar a gente desses valores Rohminianicos tão valiosos Gabi e Vivian… é um prazer participar do grupo com vocês, ler sobre o que carregam consigo e porque faz sentido estar no PEP. Ainda bem que a Vivian fez tantos esforços para estar próxima ao Mestre, não há nada mais valioso que aprender… fico emocionado em ver o depoimento de vocês. Somos muito jovens e teremos muita vida pela frente, vamos mudar isso tudo, cortar todas essas linhas que controlam a gente. Um beijo grande a vocês!
    Humor: alegre.

    Responder
  7. Que encantador e sensível é esse texto com o qual vocês, Gabi e Vivian, nos presentearam. Um presente de corações abertos e intensamente tocados. Cada palavra dita neste texto nos comprova o amor que mobiliza vocês duas.
    Muito me emocionou ler este relato de Vivian. Não me emocionei apenas agora, mas também em outros momentos em que Vivian compartilhou conosco a sua história e a relação que tem com Mestre Rohm e o PEP-Rohm, e sobre a importância que Mestre tem em sua vida. Comovente! As suas palavras são precisas em passar como esses ensinamentos tão relevantes foram apreendidos por você e como cada um fez sentido em sua vida. Em meio à situação caótica que se vive hoje, traz alento ler este belo depoimento. Que bom podermos ler mais sobre a sua jornada, querida Vivian, e nos emocionarmos com as suas palavras, que demonstram um foco precisamente aguçado e um posicionamento de gratidão e de transformação. Obrigado pela abertura em compartilhar conosco tanta emoção.
    Muito obrigado a você também, Gabi, por resgatar à nossa visão a atenção aos ensinamentos de Mestre Rohm de maneira tão bem articulada. E também por nos convidar a refletir e conhecer os ensinamentos de outros(as) Mestres importantes que Mestre Rohm docemente nos oferece aqui no site e em convívio, no dia-a-dia, explicitando e explorando as pontes que existem. Você traz exemplos de sua vida e de pessoas queridas convidadas para ilustrar as suas reflexões e nos estimular a refletir e, principalmente, nos convidar à ação. Quanta beleza e inspiração. Obrigado!
    Humor: encantada/o.

    Responder
  8. Linda e profunda reflexão sobre o caminho para a construção da liderança transformadora oferecido para nós com tanto carinho e paciência pelo Mestre Rohm… Ao convidar os integrantes do PEP para refletir em maior profundidade sobre as frases e os ensinamentos destes mestres, você nos ajuda a lidar com nossa vulnerabilidade de forma construtiva não só para aqueles que refletem junto contigo no processo de escrever um texto, Gabi, mas também para aqueles que lemos o produto de tais diálogos e escritas, que ganhamos a oportunidade de aproximar-nos ainda mais como grupo na busca pelo desenvolvimento. Como Mestre também nos ensina, nossas vulnerabilidades, e não nossas forças e certezas, nos aproximam.
    Na sua coluna, sou carregada de volta às aulas de IPS, às discussões presenciais que se dão em diversos momentos, a pontos desse caminho de crescimento e iluminação, para que possa, novamente, refletir sobre estes ensinamentos, desta vez com outro olhar porque eu já não sou mais a mesma, como imagino que aconteça com outros leitores da sua coluna. E assim nos fortalecemos no nosso propósito, confirmamos escolhas que fazemos (cada vez em maior liberdade) e delineamos melhor nosso caminho em direção àquilo que é belo, justo e bom.
    Obrigada por nos presentear com mais uma reflexão, que muito nos agrega e traz felicidade e esperança em momentos de crise como este que vivemos!
    Humor: feliz.

    Responder
  9. As duas sabem de meu carinho e de minha admiração por suas figuras. Quanta beleza!

    É sempre tão alentador ler depoimentos genuínos sobre a competência daquele que tanto ensina e inspira. Ver pessoas tão queridas se desenvolvendo, tomando para si as rédeas da vida que querem ter e do propósito que querem seguir… Preenche o coração de qualquer um que tenha passado pelo PEP ou que tenha seu caminho cruzado por Mestre Rohm. É um prazer saber que estivemos e estamos em trajetórias que se cruzam <3

    Parabéns, Vi, por reconhecer em si tanta possibilidade. Gabi, parabéns novamente por essa empreitada no blog. Obrigado por seu convite, já já envio a você!

    Às pessoas tão queridas que lindamente apreciaram esse relato tão lindo quanto, sugiro que também leiam o texto inicial da coluna proposta por Gabi – com reflexões da autora e de Marcelo – e comentem-no, se assim desejaram. Deixo aqui o link para facilitar: http://pep-rohm.facc.ufrj.br/apresentacao-da-coluna-frases-rohmanicas-e-nos/
    Humor: pensativa/o.

    Responder

Deixe um comentário