A comodificação do sujeito

O documentário, ” Privacidade Hackeada”, disponível na plataforma Netflix para streaming , é mais um alerta espantoso e detalhado acerca da manipulação de dados privados de milhões de pessoas no mundo, por plataformas digitais associadas a empresas de análise de dados e consultorias.  Além de demonstrar detalhadamente o processo de jornalismo investigativo do fato, traz à baila a discussão acerca da manipulação de decisões coletivas, como nos processos eleitorais, deixando em aberta a questão se ainda será possível a realização de eleições livres e abertas num contexto democrático. Se a própria democracia, como possibilidade, não está de fato ameaçada. Sugiro a todos assistirem ao filme e refletirem sobre como suas decisões pessoais afetam o seu e o futuro da própria sociedade, quer sejam tomadas diante de seus gadjets digitais, ou ainda diante de suas escolhas político-partidárias, eleitorais, de participação direta no controle social de governos e empresas, chegando mesmo aquelas relacionadas às diversas formas de ativismo nos movimentos sociais.

Compartilhar


Inspiração para o comentário:
Lembre-se de que você veio aqui, porque compreendeu a necessidade de lutar contra si mesmo. Agradeça, portanto, a quem lhe proporcione a ocasião para isso.
Gurdjieff
Alterar sua foto de perfil ou fazer login.

6 comentários em “A comodificação do sujeito”

  1. A conscientização de si e do outro no universo digital e eleitoral é fundamental para que evitemos externalidades severas à nossa sociedade, como Meste recorda. Obrigado pela indicação e pela análise!
    Humor: despertada/o.

    Responder
  2. Essa manipulação do comportamento humano é assustadora e mais um motivo para evitarmos o uso das redes sociais para atividades irrelevantes. Obrigada por mais essa oportunidade de reflexão!
    Humor: determinada/o.

    Responder
  3. É impressionante como em poucas palavras Mestre faz uma descrição precisa e traça considerações tão profundas sobre os bastidores do evento e do fenômeno retratado no documentário. Ainda, como consegue trazer para os detalhes do cotidiano e nos fazer reconhecer nossa responsabilidade diante do que acontece, excluindo a possibilidade de um distanciamento que nos imobilizaria e acovardaria. Um brilhante convite à ação!
    Humor: pensativa/o.

    Responder
  4. Ainda não assisti ao documentário, mas sem dúvida é espantoso como o “Big Data” detêm inúmeras informações, detalhes que nem nós temos ciência de que eles têm. Minha dúvida é: Como saber os meus dados são manipulados? Como me defender destas situações?
    Humor: pensativa/o.

    Responder
  5. Obrigado pela indicação do documentário Mestre. O controle que sofremos hoje é realmente assustador, precisamos mudar muito a relação com as novas tecnologias e discutir leis que possibilitem o pensamento numa sociedade democrática.
    Humor: zangada/o.

    Responder
  6. Para além dos comentários aqui postados, que revelam uma preocupação com o uso dos dados, considero relevante considerar a questão ética que permeia a situação. É incrível como, em nenhum momento, até a mudança de posicionamento e a adoção de uma posição critica da colaboradora da Cambridge Analityca, a criatura apresenta qualquer preocupação de ordem ética. Acho esta produção um excelente exemplo de como a ambição desenfreada pode levar alguém que ocupa uma posição de poder, a exercer uma liderança destrutiva. É preciso lembrar que a liderança, quando destituída de princípios éticos, pode ser usada para fazer o mal, como em tantas ocasiões tivemos a chance de discutir e aprender no PEP.
    Humor: pensativa/o.

    Responder

Deixe um comentário

  1. <strong>Texto em negrito</strong>
  2. <em>Texto em itálico</em>
  3. <blockquote>Citação de mais de 3 linhas</blockquote>
  4. 🙏
  5. 👏
  6. 🤩
  7. 😍
  8. 😘
  9. ❤️
  10. 😉
  11. 😊
  12. 😁
  13. 👍
  14. 🤔
  15. 😄
  16. 😎
  17. 🐘