PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM
DESENVOLVIMENTO HUMANO, FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS TRANSFORMADORAS E GOVERNANÇA SOCIAL
Eponina, Ernesto Nazareth
Chevron esquerda

As mutações do mercado de trabalho sob a égide do capitalismo e os impactos sociais para o trabalhador

,
📅 DATA DA PUBLICAÇÃO
🔖 PALAVRAS-CHAVE
📃 DIVULGADO EM

🗺️ CIDADE
AUTORES:

ResearchGate – 📅 Apresentação

Resumo:

A pesquisa tem como objetivo geral apresentar a organização contemporânea do trabalho, na perspectiva própria do capitalismo, considerando as mudanças nos meios de produção com a introdução de novas tecnologias e a precarização nas relações trabalhistas, enfatizando os efeitos sociais ocasionados ao trabalhador.

A expansão do modo de capitalista de produção a uma escala global, assim como o fluxo de capitais, resultou em alterações nas relações de produção das sociedades e nas relações de trabalho em todo o mundo (Mattoso & Pochmann, 1998). O capitalismo, sob a égide da acumulação flexível, trouxe uma ruptura com o padrão fordista e gerou um modo de trabalho e de vida pautados na flexibilização e na precarização do trabalho. O capital financeiro impôs-se sobre todos os demais empreendimentos do capital, subordinando a esfera produtiva e contaminando todas as suas práticas e os modos de gestão do trabalho (Antunes, 2018).
As empresas tem focado em implementar estratégias que resultem em ganhos de produtividade e diferenciais de competitividade, seja por meio da redução dos quadros funcionais, da precarização das relações de trabalho, terceirizando parte do processo produtivo. Todas essas ações resultaram na piora das condições de trabalho (DIEESE, 2003).
A flexibilização e a precarização nas relações de trabalho determinaram o surgimento de novos formatos para a natureza do emprego (temporário, contrato por tempo determinado, tempo parcial ou variável, interinidade) (Antunes e Alves, 2004; Boltanski e Chiapello, 2009; Castel, 2010).
Nesse cenário, as estatísticas do desemprego são crescentes mas o discurso veiculado nos meios midiáticos é o de que há empregos, mas não há trabalhadores qualificados para ocupá-los.
Essas práticas implicam em responsabilizar cada vez mais os indivíduos pela gestão do seu trabalho, da sua carreira, da sua formação e, também, da sua saúde e segurança. Han (2017) aponta uma mudança no paradigma social que agora determina a ênfase na responsabilidade e iniciativa do indivíduo para produzir mais, ter melhor desempenho. Este imperativo da sociedade pós moderna do trabalho leva o individuo à depressão e outras formas de adoecimento psíquico. Segundo Antunes (2018), as pressões para atender às demandas crescentes do mercado tem transformado o ambiente de trabalho em um espaço de adoecimento.
O estudo busca analisar a relação entre o atual cenário do mercado de trabalho consideradas as mudanças impostas pelo capitalismo e os impactos sociais para o trabalhador.
Desenvolver-se-á uma pesquisa qualitativa de caráter documental dado que se constitui em uma das várias possibilidades de se estudar os fenômenos que envolvem os seres humanos e suas intrincadas relações sociais, estabelecidas em diversos ambientes (Godoy, Arilda S.; 1995).
PALAVRAS-CHAVE: mercado de trabalho, emprego, capitalismo, mudança social, trabalhador.

Abstract:

Labour market changes in capitalism and its social impacts for the workers

The research aims to introduce the contemporary organization of general work, from the perspective of capitalism itself, considering the changes in the means of production with the introduction of new technologies and the insecurity in the labor relations, emphasizing the social effects caused to the employees.

The expansion of the capitalist mode of production on a global scale, as well as the flow of capital, resulted in changes in the relations of production and relations of societies ‘ work around the world. (Mattoso & Pochmann, 1998). Capitalism, under the aegis of the flexible accumulation, brought a break within the Fordist pattern and generated a way of work and life based on more flexible and precarious work. The financial capital imposed itself on all other capital ventures, subordinating the productive sphere and contaminating all their practices and management modes of work (Antunes, 2018). The companies have focused on implementing strategies which result in gains in productivity and competitiveness differentials, either through the reduction of functional frameworks, the precariousness of work relationships, as well as outsourcing part of the production process. All these actions resulted in the worsening of working conditions (DIEESE, 2003). These flexible and precarious work relations determined the emergence of new formats for the nature of employment (temporary, contract by time, part-time or variable) (Antunes and Alves, 2004; Boltanski and Chiapello, 2009; Castel, 2010). In this scenario, the unemployment statistics are growing but the speech aired in the media means is that there are plenty of jobs, but there is no skilled workers to fill them. These practices imply responsibility more and more individuals for managing your work, your career, your education, and also of your health and safety. Han (2017) points to a change in the social paradigm that now determines the emphasis on responsibility and initiative of the individual to produce more, have better performance. This imperative of postmodern working society leads the individual to depression and other forms of psychic illnesses. According to Antunes (2018), the pressure to meet the increasing demands of the market have transformed the work environment in a space of illness. The present study seeks to analyse the relationship between the current labour market scenario takling the changes imposed by capitalism and its social impacts for the worker. A qualitative research of documentary character will be, therefore, developed as this is one of the several possibilities for studying the phenomena which involve human beings and their intricate social relations, whilst established in various environments (Godoy, Arilda S.; 1995).
KEYWORDS: labour market, employment, capitalism, social change, worker.

ANEXO:

Compartilhar


Inspiração:
Gurdjieff
Lembre-se de que você veio aqui, porque compreendeu a necessidade de lutar contra si mesmo. Agradeça, portanto, a quem lhe proporcione a ocasião para isso.
Alterar sua foto de perfil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  1. <strong>Negrito</strong>
  2. <em>Itálico</em>
  3. <blockquote>Citação</blockquote>
  4. 🙏
  5. 👏
  6. 🤩
  7. 😍
  8. 😘
  9. ❤️
  10. 😉
  11. 😊
  12. 😁
  13. 👍
  14. 🤔
  15. 😄
  16. 😎
  17. 🐘

 

Pesquisas recentes

Ver todas as pesquisas ›

Linhas de pesquisa

Temas de pesquisa e estrutura matricial

Desenvolvimento humano

Acessar pesquisas ›

🌈Com ênfase na diversidade sexual, os estudos analisam as relações de poder e preconceito presentes nas organizações, estimulando o combate à discriminação e à homofobia.

Observam-se quais os modelos adotados para a gestão da diversidade com base nas boas práticas de inclusão – sejam elas nacionais ou internacionais.

Busca-se compreender as vantagens competitivas existentes em um ambiente diverso, considerando também o bem estar de cada colaborador.

A conscientização e o enfrentamento acerca das manifestações homofóbicas nas organizações e demais ambientes de trabalho é crucial para a erradicação da homofobia em nossa sociedade.

“Tanto na esfera do conhecimento, quanto na da política, da sociedade e da própria vida humana, a diversidade deve ser percebida com entusiasmo, com paixão, compaixão e com o encantamento de quem redescobre o mundo. Assim é para mim, permanentemente. Em cada gesto.”

Rohm, em Por uma elegia à Diferença!

Liderança transformadora

Acessar pesquisas ›

🦅 Estes estudos visam compreender a existência e o surgimento de líderes, a análise e aprendizado das competências fundamentais da liderança. Formamos líderes para transformar a sociedade em prol da diversidade humana.

A liderança aqui não aparece como mero recurso para maior vantagem competitiva, mas como forma de se instaurar e de se gerir a transformação.

Transformação significando a ruptura com antigos padrões e a elevação do nível de consciência, tanto pessoal quanto organizacional.

“A única maneira de realizar algo importante é um desejo verdadeiro e pungente, uma vibração transformadora, um presságio de que a vida e a felicidade podem ser ainda mais e maiores…

…"a verdade pertence aos olhos que a vêem" assim como a sabedoria se origina da vivência autêntica de cada um, do olhar por dentro, da celebração da diferença, da entrega, do aprender com amor e coragem de mudar a si mesmo, para além dos limites, para poder merecer mudar o mundo.”

Rohm, em Sócrates e Rohm refletem.

Humanidades digitais e governança social

Acessar pesquisas ›

⚖️ O tema Humanidades Digitais contempla o uso das tecnologias e mídias digitais na geração e propagação de informações, além de meio de comunicação, junto à sociedade e pelas organizações. Em nosso programa, temos investigado e aprofundado nossas pesquisas e estudos nesta temática, observados o massivo uso das ferramentas tecnológicas e digitais, em todo o mundo mas especialmente no Brasil. Esta forma de proceder vem interferindo e orientando a apropriação do conteúdo produzido, afetando o comportamento social e subsidiando a tomada de decisão nas organizações, inclusive no contexto político, com o comprometimento dos sistemas políticos de representação vigentes.
Desenvolvemos lideranças capazes de enfrentar os desafios decorrentes da datificação da sociedade e do capitalismo de vigilância.

Quanto à Governança, os estudos buscam entender as relações pelas quais uma empresa é controlada e administrada, trabalhando para além do paradigma padrão de governança voltada para os shareholders (detentores de ações), mas também para os stakeholders (sociedade, clientes, fornecedores, funcionários e acionistas).

Desejamos estimular a implementação de práticas de gestão socioambientais sustentáveis e éticas nas organizações.

Existe uma preocupação com o resgate social da produção da riqueza que parece obstaculizado pela crise do Estado contemporâneo. A governança é  entendida como um campo de retomada social da produção e da distribuição das riquezas.

"A crise de referências e valores fundamentais da sociedade moderna, acompanhada pela crise de suas instituições tradicionais, desorganizam e desqualificam os então conhecidos e praticados vínculos sociais essenciais aos processos de identificação dos indivíduos, e, portanto, fragmentam suas identidades e abrem um vazio de sentido a ser pretensamente ocupado pela Organização contemporânea, com seu imaginário de excelência e sucesso, ensejando a discussão dos modos de subjetivação inaugurados por suas práticas discursivas."

Rohm, em ​A Produção de Subjetividades em Organizações Contemporâneas: Práticas Discursivas e Políticas da Empregabilidade.

Receba notícias