PROGRAMA DE ESTUDOS E PESQUISAS EM
DESENVOLVIMENTO HUMANO, FORMAÇÃO DE LIDERANÇAS TRANSFORMADORAS E GOVERNANÇA SOCIAL
Eponina, Ernesto Nazareth
Chevron esquerda

Modelos de Gestão Social no Brasil

,
📅 DATA DA PUBLICAÇÃO
🔖 PALAVRAS-CHAVE
📃 DIVULGADO EM

UFRJ,

🗺️ CIDADE
AUTORES:

ResearchGate – 📅 SIAc 2017 – 🏅 Prêmio

Resumo:

Este trabalho tem por objetivo identificar os melhores modelos de gestão social no Brasil, apresentando suas forças, fraquezas, ameaças e oportunidades relativas ao potencial de inovação de um empreendimento social (OLIVEIRA, 2004). Para tanto, os modelos de gestão social apoiados e/ou financiados pela organização sem fins lucrativos Ashoka, referentes às 27 federações brasileiras e 10 anos de dados, foram determinados como a população cujas características deseja-se descrever, bem como foram operacionalizados em três categoriais: desenvolvimento social, controle social e gestão ambiental (ROHM, 2016), com a finalidade de constatar em quais categorias os modelos de gestão social expressam-se como mais fortes ou fracos e apresentam mais oportunidades ou ameaças com relação à inovação. Neste trabalho, foi necessário coletar os investidores de cada modelo de gestão social da Ashoka visando utilizá-los como indicadores de mensuração da inovação (GODÓI-DE-SOUSA, E.; GANDOLFI, P.; GANDOLFI, M., 2011), bem como base para trabalhos futuros, em outras dimensões que caracterizam os modelos de gestão social no Brasil. Cada indicador foi obtido por meio de técnicas de levantamento e pesquisa documental. Trata-se de um trabalho de pesquisa mista que realizou uma revisão teórica acerca das políticas públicas, do terceiro setor, do empreendedorismo social dos modelos de gestão, dos modelos de gestão social, da inovação social e se classificou como uma pesquisa descritiva. Em resultado, o estudo, identificou seis modelos de gestão social no território brasileiro como os melhores, em relação ao seu potencial de inovação, bem como descreveu as forças, fraquezas, ameaças e oportunidades dos modelos de gestão social no Brasil. Por fim, concluiu que, os melhores modelos de gestão, atendem há aos critérios de inovação, criatividade, perfil empreendedor e fibra ética da Ashoka (ASHOKA, 2017)
Palavras-chave: Modelos de Gestão Social, Inovação, Empreendedorismo Social, Terceiro Setor, Autogestão, Valor Social, Valor Econômico.

Abstract:

The objective of this article is to identify the best social management models in Brazil, presenting its strengths, weaknesses, opportunities and threats relative to the innovation potential of a social entrepreneurship (OLIVEIRA, 2004). Therefore, the social management models supported and/or financed by the non-profit organization Ashoka, regarding the 27 Brazilian federative unites in 10 years of data, were determined as the population of analysis, whose characteristics are aimed to be described, and were also operationalized in three categories: social development, social control and environmental management (ROHM, 2016), aiming to verify in which categories the social management models expresses themselves as more strong or weak and present more opportunities or threats relative to innovation. In this work, it was necessary to collect the number of investors in every Ashoka’s social management model aiming to utilize them as indicators to measure the innovation (GODÓI-DE-SOUSA, E.; GANDOLFI, P.; GANDOLFI, M., 2011), as well as be the basis for future works, in other dimensions that characterize the social management models in Brazil. Each indicator was obtained through survey techniques and documentary research. This is a mixed research project in which is made a theoretical review of the public policys, the third sector, the social enterpreneurship, the management models, the social management models and the social innovation. Besides that, the work was classified as a descriptive research. In result, the study identified six social management models in Brazilian territory as the best relative to their innovation potential, as well as it described the strengths, weaknesses, opportunities and threats of the social management models in Brazil. It concluded that the best management models attend to the Ashoka’s criteria for innovation, creativity, entrepreneur profile and ethical fiber (ASHOKA, 2017).
Key words: Social Management Models, Innovation, Social Entrepreneurship, Third Sector, Self-management, Social Value, Economic Value.

ANEXO:

Compartilhar


Inspiração:
Gurdjieff
Lembre-se de que você veio aqui, porque compreendeu a necessidade de lutar contra si mesmo. Agradeça, portanto, a quem lhe proporcione a ocasião para isso.
Alterar sua foto de perfil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  1. <strong>Negrito</strong>
  2. <em>Itálico</em>
  3. <blockquote>Citação</blockquote>
  4. 🙏
  5. 👏
  6. 🤩
  7. 😍
  8. 😘
  9. ❤️
  10. 😉
  11. 😊
  12. 😁
  13. 👍
  14. 🤔
  15. 😄
  16. 😎
  17. 🐘

 

Pesquisas recentes

Ver todas as pesquisas ›

Linhas de pesquisa

Temas de pesquisa e estrutura matricial

Desenvolvimento humano

Acessar pesquisas ›

🌈Com ênfase na diversidade sexual, os estudos analisam as relações de poder e preconceito presentes nas organizações, estimulando o combate à discriminação e à homofobia.

Observam-se quais os modelos adotados para a gestão da diversidade com base nas boas práticas de inclusão – sejam elas nacionais ou internacionais.

Busca-se compreender as vantagens competitivas existentes em um ambiente diverso, considerando também o bem estar de cada colaborador.

A conscientização e o enfrentamento acerca das manifestações homofóbicas nas organizações e demais ambientes de trabalho é crucial para a erradicação da homofobia em nossa sociedade.

“Tanto na esfera do conhecimento, quanto na da política, da sociedade e da própria vida humana, a diversidade deve ser percebida com entusiasmo, com paixão, compaixão e com o encantamento de quem redescobre o mundo. Assim é para mim, permanentemente. Em cada gesto.”

Rohm, em Por uma elegia à Diferença!

Liderança transformadora

Acessar pesquisas ›

🦅 Estes estudos visam compreender a existência e o surgimento de líderes, a análise e aprendizado das competências fundamentais da liderança. Formamos líderes para transformar a sociedade em prol da diversidade humana.

A liderança aqui não aparece como mero recurso para maior vantagem competitiva, mas como forma de se instaurar e de se gerir a transformação.

Transformação significando a ruptura com antigos padrões e a elevação do nível de consciência, tanto pessoal quanto organizacional.

“A única maneira de realizar algo importante é um desejo verdadeiro e pungente, uma vibração transformadora, um presságio de que a vida e a felicidade podem ser ainda mais e maiores…

…"a verdade pertence aos olhos que a vêem" assim como a sabedoria se origina da vivência autêntica de cada um, do olhar por dentro, da celebração da diferença, da entrega, do aprender com amor e coragem de mudar a si mesmo, para além dos limites, para poder merecer mudar o mundo.”

Rohm, em Sócrates e Rohm refletem.

Humanidades digitais e governança social

Acessar pesquisas ›

⚖️ O tema Humanidades Digitais contempla o uso das tecnologias e mídias digitais na geração e propagação de informações, além de meio de comunicação, junto à sociedade e pelas organizações. Em nosso programa, temos investigado e aprofundado nossas pesquisas e estudos nesta temática, observados o massivo uso das ferramentas tecnológicas e digitais, em todo o mundo mas especialmente no Brasil. Esta forma de proceder vem interferindo e orientando a apropriação do conteúdo produzido, afetando o comportamento social e subsidiando a tomada de decisão nas organizações, inclusive no contexto político, com o comprometimento dos sistemas políticos de representação vigentes.
Desenvolvemos lideranças capazes de enfrentar os desafios decorrentes da datificação da sociedade e do capitalismo de vigilância.

Quanto à Governança, os estudos buscam entender as relações pelas quais uma empresa é controlada e administrada, trabalhando para além do paradigma padrão de governança voltada para os shareholders (detentores de ações), mas também para os stakeholders (sociedade, clientes, fornecedores, funcionários e acionistas).

Desejamos estimular a implementação de práticas de gestão socioambientais sustentáveis e éticas nas organizações.

Existe uma preocupação com o resgate social da produção da riqueza que parece obstaculizado pela crise do Estado contemporâneo. A governança é  entendida como um campo de retomada social da produção e da distribuição das riquezas.

"A crise de referências e valores fundamentais da sociedade moderna, acompanhada pela crise de suas instituições tradicionais, desorganizam e desqualificam os então conhecidos e praticados vínculos sociais essenciais aos processos de identificação dos indivíduos, e, portanto, fragmentam suas identidades e abrem um vazio de sentido a ser pretensamente ocupado pela Organização contemporânea, com seu imaginário de excelência e sucesso, ensejando a discussão dos modos de subjetivação inaugurados por suas práticas discursivas."

Rohm, em ​A Produção de Subjetividades em Organizações Contemporâneas: Práticas Discursivas e Políticas da Empregabilidade.

Receba notícias