Monotemática: Inumeráveis


É, mais uma vez. Perdoe-me por essa insistência monotemática. Imagino que você esteja lendo, ouvindo ou vendo muito sobre a pandemia. Caso afastado do noticiário, das redes ou de conversas sobre o que se passa, ao mínimo você está vivendo em uma pandemia – de preferência, em casa, respeitando o distanciamento social, caso não tenha que ir para a rua se dedicar a serviços essenciais. Vivendo novas configurações sociais, desafios dos mais variados, das esferas individuais até a global. 

O assunto, é evidente, já foi pauta inclusive aqui nos blogs que compõem o endereço eletrônico oficial do PEP-Rohm. Claudine fez um ensaio inspirador (leia, reflita, comente!) dividindo conosco a visão de grandes nomes pensantes de nossa sociedade e o que nos dizem sobre a pandemia. Apresentou-me o modelo da rosquinha, também comentado por Sofia, quem atrelou o propositivo conceito à reflexão da boa utilização das tecnologias digitais (agora aqui; leia e comente!).

Minha proposta honrosamente conversa com ambas, mas é outra, embora eu também recorde a liderança transformadora. Ela é uma das fundamentais linhas de pesquisa do PEP-Rohm e se baseia no tripé formado por foco, propósito e posicionamento, cunhado por Mestre Rohm. O dinamismo da representação triangular desses três aspectos propicia visibilidade de ineficiências e de necessidades de ajuste. É(, de forma eufemística,) difícil mantê-los em irrestrito equilíbrio. Por vezes, pode-se ter propósito, foco e ausência de posicionamento, quando dominados pela inércia, por exemplo. Na minha perspectiva – e desejo que me corrijam caso equivocado -, porém, é justamente na busca pela postura equilátera entre esses três elementos em que mora o fazer da liderança transformadora. Se a teoria é uma abstração, a tentativa de exercê-la é quando a utopia se vê colocada na prática da sociedade.

Na busca de colaborar com você com algum vento de esperança ou sentido que atravesse exemplos de liderança, e também de ajustar o meu posicionamento como errante navegante pepiano, esse espaço será dedicado para manifestações virtuosas perante o vírus. Empáticas, lidam com o diálogo e se utilizam de estratégias criativas na busca de um objetivo em comum. Geralmente, a sobrevivência, em suas variadas facetas.

Inumeráveis

Pensando em escrever, reli nesta manhã as minhas primeiras anotações de IPS120 (Psicologia das Organizações, disciplina lecionada por Mestre Rohm), do segundo semestre de 2017, quando escutei sobre liderança transformadora pela primeira vez na vida. Quando ainda acreditava que a maioria das narrativas críticas às tecnologias digitais era fundada em perspectivas exageradamente pessimistas e quando ainda podíamos nos aglutinar em sala de aula sem se preocupar com o corona.

De certo, muito mudou nesses quase três anos, inclusive na minha ingênua crença sobre as visões contrárias ao uso excessivo das tecnologias digitais, que causaram um dano, caso não irreparável, colossal ao Brasil. Hoje, no entanto, se elas conseguem amenizar de forma fugaz a solidez e a quietude do isolamento por intermédio das lives – as quais por vezes se tornaram espaço para propaganda irregular de empresas, registra-se -, também são capazes de funcionar como ferramentas de informação, esta imprescindível em tempos pandêmicos. Às vezes, vão além, como é a iniciativa comentada na primeira quarta-feira que escrevo a você.

Na tentativa de confortar os entes queridos, o memorial Inumeráveis é uma iniciativa que reúne uma frase, como uma epígrafe, de vítimas da covid-19. No seu sítio eletrônico, ela é acompanhada do nome e da idade de cada pessoa lá registrada, além de um singelo obituário. A plataforma é construída de forma colaborativa. Voluntários associados entrevistam parentes e amigos das pessoas falecidas para colher informações e auxiliar na criação das histórias.

O projeto transcende à solidária ajuda no processo de enfrentamento do luto e de sua aceitação, tão complexo diante da ausência de rituais comumente esperados, como velórios e outras manifestações de despedida. Ele nasce também do momento em que essas vidas são tratadas como simples estatísticas por autoridades [sic]. No fim do sítio, está lá explícito o seu intuito:

“não há quem goste de ser número

gente merece existir em prosa”

“Líderes veem as pessoas!”, diz Claudine, ao final de seu ensaio já comentado. “O que não está coisificado, o que não se deixa numerar nem medir, não conta”, escreve Adorno em Minima Moralia. Será que essas mortes precisam ser contadas para existirem? A enorme subnotificação e a insistência em desumanizar as pessoas que nos deixam, esvaziando-as em algarismos, parecem ser ações racionalizadas. Talvez para parecer que está tudo sob controle, talvez como chance para se apoiarem em ares de  tranquilidade, evitando a culpabilização.

O Inumeráveis lembra que não. Não é necessário que se conte para que se exista. Nenhuma máquina fria de brilho de aluguel é capaz de simbolizar a perda dessas vidas. Não são só 7 mil. Os números não revelam Ricardo Maeda, de 44 anos, sobre quem se escreveu que “Ia ser um pai completo. Não teve tempo”. Nem José Aparecido de Lima, de 62 anos: “’Muito justo!’ era o seu bordão alto e grave, acompanhado de uma risada solta e rouca”. Sequer Isabel Cristina Dangelo Sianga, de 52 anos: “Em Indaiatuba, ninguém fazia bolos como a Bel”. 

E daí?

Foi também na disciplina IPS120, notadamente nas aulas sobre o cinema, que uma forte lição foi assimilada por mim: a tristeza pode ser bela.

Não, não há nada que possa substituir a morte de entes queridos. O luto doloroso e pungente da pandemia será impagável, e não há de ser inutilmente. Ele possuí responsáveis que fazem aumentar a lista de dignas e singelas histórias do Inumeráveis, por conta de tanta negligência e imprudência.

Os escritos que lá estão nos aproximam dos gráficos, em um zoom mais potente que qualquer smartphone recém-lançado, e nos recolocam juntos uns aos outros. Pulsam em beleza por sua capacidade simbólica e pela potência transformadora que a empatia é capaz de gerar. Líderes calculam, mas não apenas. Líderes veem as pessoas. Líderes leem as prosas de seu país, como as que estão no memorial. Como as prosas de Aldir Blanc. Líderes se afetam.

Quarta que vem, alguma outra manifestação: da imprensa que não se cala, de alguma organização não governamental, algum empreendedorismo social. Ou exemplos de Responsabilidade Social Corporativa, de alternativas para sustento do pequeno comércio, de ações de escolas de samba, de gestos individuais, de algum compilado. Sempre de forma monotemática, sob compromisso da beleza e da transformação.

Sugestões são mais do que bem-vindas.

Até.

Compartilhar


Postado por


Inspirações para o comentário:
abate, alegria, amuo
ânimo, ardor, arte
susto, avidez, bobeira
calma, cansaço, carranca
coleção, confusão, contemplação
criação, curiosidade, depressão
descontente, deslumbre, despertez
determinação, diversão, doente
empolgação, encanto, energia
esperança, espirituosa/o, estranheza
estresse, feliz, gelo
ímpeto, irritação, melancolia
nerd, ocupação, peculiar
pensamento, realização, riso
saltitante, satisfação, sombra
surpresa, trabalhando, travessa/o
triste, zanga
Lembre-se de que você veio aqui, porque compreendeu a necessidade de lutar contra si mesmo. Agradeça, portanto, a quem lhe proporcione a ocasião para isso.
Gurdjieff
Você pode alterar sua foto de perfil no Gravatar ou fazer login.

5 comentários em Monotemática: Inumeráveis

  1. Embora de caráter mais melancólico o texto que nos traz Felipe, vou optar por enfatizar o que considero o melhor deste espaço: somos capazes de escrever “variações sobre o mesmo tema”. São perspectivas diferentes, mas propostas para reflexões e mergulhos para dentro… Que nos possam fortalecer e tornar melhores, para “ser” na plenitude e inteireza que merecemos! E para transformar rumo ao que desejamos ver!
    Humor: contemplativa/o.

    Responder
  2. Parabéns pela iniciativa querido, obrigado pelo texto. Estou um pouco cansado dessa monotemática, mas não há o que fazer… o jornal hoje só tem desgraça, mas o que esperar? É muito agradável ler seu texto e sua iniciativa de trazer uma perspectiva diferente a essa monotemática, acho que assim nos lembramos que há muito mais o que ver nisso tudo… não estamos perdendo apenas números, tem muito mais nessa história que precisa ser lembrado, os dias – por mais que pareçam – não são iguais. Grande beijo!

    Responder
  3. Belíssimo! A sua escrita sensível faz subverter a formalidade do que seria monotemático. Na pluralidade que as suas palavras e ideias representam, você resgata a beleza em um assunto que tende a ficar restrito a lamúrias e lamentações. Ser “monotemático” pode ganhar outros significados. Você resgata o conceito de liderança transformadora de Mestre Rohm ao mesmo tempo em que identifica iniciativas que dão vida à teoria de forma pulsante em um cenário tão difícil e duro. Você joga luz nas frestas em que emergem essas potências. E nos lembra da beleza. Obrigado por compartilhar conosco a sua prosa!

    Responder
  4. Querido, obrigada por nos presentear com tamanha beleza em forma de texto. Em meio a tantas notícias negativas sobre a destruição e a morte causadas pela pandemia, acho fundamental que nos lembremos sempre de olhar para aqueles que buscam propor, contruir, criar, trazer vida ao que se insiste em tratar como desesperançado. Uma vida nunca deixa de ser uma vida, mesmo quando é tratada como número. Neste caso percebemos claramente como o discurso revela muito mais sobre o emissor do que sobre o assunto que é tratado: quando o discurso de uma autoridade remove a vida de uma existência, o que isso diz sobre ela?
    Me questiono também sobre as oportunidades que nos são oferecidas neste momento. Em meio a ascensão de diversos governos de extrema direita pelo mundo, somos atingidos por uma pandemia. Será possível que o nosso planeta deixe mais claro para nós, como humanidade, que este caminho não é viável? Como pudemos passar tanto tempo acreditando que um sistema criado por humanos deveria servir a algo além da própria humanidade? Acredito que a arte, com sua função de criar empatia, gerar o debate político e promover a libertação seja um dos caminhos a seguir para que possamos não apenas olhar para o que passou esperando que a vida “volte ao normal”, mas para que consigamos alcançar as reflexões que trarão a mudança tão necessária ao mundo neste momento duro.

    Responder

Deixe um comentário